sexta-feira, 26 de abril de 2013

Alô, dotô!


Nenhum comentário
E saiu, enfim, o aguardado edital de citação referente ao clássico entre Avaí x Figueirense, disputado no dia 07 de abril. Estranhamente, o jogador Maylson, da equipe visitante, não foi denunciado pela procuradoria do TJD catarinense, por ter insinuado ao microfone das emissoras de rádio que o Avaí foi ajudado pela arbitragem.

A omissão da procuradoria é no mínimo curiosa, pois o avaiano Marquinhos foi denunciado pelo mesmo motivo (reclamou da arbitragem após o jogo contra o Criciúma). Inclusive, a absolvição do avaiano com apenas uma advertência causou irresignação do Procurador Geral do TJD, sr. Felipe Branco Bogdan, que recorreu da decisão provocando novo julgamento (entenda o caso aqui).

Não consigo compreender porque agora, em caso idêntico, não houve denúncia. Quando aconteceu com Marquinhos, eu comentei nas redes sociais que só estavam fazendo isso porque o jogador é o grande nome do futebol catarinense e atrai a mídia por onde passa. Agora, quem é mesmo Maylson? Filho de Mayl? Não dá audiência e, portanto, não merece a denúncia. É isso mesmo, TJD?

Não custa nada lembrar as palavras do Procurador quando pediu novo julgamento para Marquinhos:
"não era uma hipótese a suspensão da pena de suspensão do atleta, em troca de uma advertência. A Procuradoria não entende que seja uma infração de pequena gravidade. A gente sempre tem que contextualizar, são palavras fortes, envolve o árbitro, a Federação. Além do mais ele disse isso para a imprensa, o que ganha um valor maior".
Uma pena que um órgão respeitável como o Tribunal de Justiça Desportiva use pesos diferentes para a mesma medida. Que "justiça" é essa que trata de forma diferente situações idênticas? No linguajar ilheu, podemos dizer que "o vento que sopra lá, não sopra cá". Uma pena, de verdade.

quarta-feira, 24 de abril de 2013

Acharam os culpados


Nenhum comentário

Foto: Alan Pedro/Notícias do Dia
Em meu último artigo, escrevi sobre o aparente abandono das obras de duplicação da rodovia Diomicio Freitas. Ontem mesmo, o jornal Notícias do Dia publicou reportagem (dica da madrugadora Gi Severo pelo Twitter) com as explicações de Paulo Meller, presidente do Deinfra, sobre o assunto. O ponto principal das justificativas diz respeito à necessidade de retirar ninhos do topo das árvores. Como sou um tanto obtuso quando se trata de obras públicas - e suas aparentemente estranhas justificativas -, tenho algumas considerações e dúvidas a respeito:

1 - De acordo com o texto, as máquinas que começaram a limpeza foram retiradas para dar espaço ao trabalho mais minucioso, que envolve as árvores mais altas. Ora, qualquer pessoa que passar pelo local (bem como em qualquer outro mangue) verá que a vegetação é uniforme, com as árvores apresentando praticamente o mesmo tamanho. Não existe ali "vegetação rasteira" e "árvores mais altas". O trecho que foi arrancado pelas máquinas no dia da apresentação à TV possuía árvores idênticas às que agora são classificadas como "árvores mais altas";

2 - O cuidado é justificado pelas aves que fazem os ninhos no topo das árvores. Ok, deve ser louvada qualquer preocupação com a fauna nativa. Mas então, por que diabos começaram a arrancar a vegetação e depois pararam quando a televisão foi embora? Eu estava certo quando imaginei que foi tudo um circo para mostrar serviço? Ou as aves foram "descobertas" só naquele dia?

3 - Esse detalhe estava no planejamento do Deinfra e a empresa que fará a retirada das árvores chegará nos próximos dias ao local. Opa, então quer dizer que já sabiam sobre os ninhos... excelente! Nesse caso, por que a empresa já não estava lá quando as máquinas pararam? Por que ela chegará somente "nos próximos dias"? E o que devemos considerar, afinal, como "próximos dias"? Pode ser amanhã, semana que vem ou daqui a dois meses? Não acredito que no contrato entre o órgão público e a empresa exista uma cláusula dizendo que o trabalho deve começar "nos próximos dias". Se for assim, não espantará se o prazo de conclusão constar como "indeterminado".

No final das contas, se a obra atrasar, vai ser por culpa dos pássaros. E com razão, a propósito. Esses bichos, que não sabem viver em sociedade, saem fazendo suas casas sem licença da Prefeitura, sem ligação de água tampouco de energia elétrica. Daqui a pouco vão querer até indenização pra sair dali. Levando em conta a competência extrema dos responsáveis, só isso mesmo para explicar que o trabalho ficou parado por mais de uma semana, mesmo com clima favorável.

Meu medo - estou falando sério - é que daqui a pouco apareça no "planejamento" que existem tocas de caranguejo naquele mangue. E que seja preciso esperar "alguns dias" para que uma empresa especializada venha retirá-los de forma segura.

Em tempo: quem usa a rodovia sabe que, em determinados dias do outono, a maré alta invade a pista dificultando - por vezes, até impedindo - a passagem de veículos. Espero que levem isso em conta na duplicação, elevando a via o suficiente para acabar com o problema. Mas isso eu não preciso avisar, né?

terça-feira, 23 de abril de 2013

Obra de televisão


Nenhum comentário
Foto: Floripanews
No último dia 17 de abril, começou "oficialmente" a duplicação da Av. Diomicio Freitas, no trecho compreendido entre o trevo da seta e o estádio da Ressacada. Escrevo "oficialmente", entre aspas, porque segundo as "otoridades" competentes (ou nem tanto), já estavam sendo executados, há algum tempo, trabalhos de infraestrutura pra a obra.

De acordo com os responsáveis pela execução do projeto, as obras não haviam começado antes por causa das chuvas que ocorreram nos meses de janeiro e fevereiro, além da falta da necessária licença, que havia sido finalmente fornecida pelo Instituto Chico Mendes de Biodiversidade (ICMBio).

Pois bem. No mesmo dia, apareceram no local diversos jornalistas, com o objetivo de registrar o início da obra. Com disposição incomum, máquinas arrancavam freneticamente a vegetação do mangue enquanto operários acompanhavam o trabalho. Tudo devidamente registrado pelas câmeras e exibido "por toda Santa Catarina" (assista aqui).

Eu, que moro no Carianos, fiquei naturalmente satisfeito com a notícia. Estranhamente, no dia seguinte, as máquinas tinham desaparecido. Apenas alguns funcionários trabalhavam no local, colocando duas placas com a propaganda do "pacto das estradas" promovido pelo governo do Estado. Depois disso, não tenho visto mais viv'alma no local, apesar de passar diariamente, pelo menos duas vezes, por ali. A vegetação que estava sendo retirada ficou exatamente como deixaram no dia das filmagens. Um visitante incauto não imaginaria que obra de tal porte está sendo executada no local.

Dessa vez, qual a desculpa? Desde o dia 17, quando "começou" a obra, não caiu sequer uma gota de chuva em Florianópolis, logo não pode ser por causa do clima. As licenças estão ok, ou o trabalho não teria sequer começado. E agora, o que falta? Por favor, não venham dizer que estão trabalhando em "outras frentes". Não existem planejamento de obra desse tamanho que faça deslocar uma equipe e os equipamentos para trabalhar UM DIA e depois ir fazer outras coisas. Não quero crer que foi só para aparecer na TV e usar como propaganda política depois...

com não sou engenheiro, posso estar equivocado e abro o espaço para quem quiser fazer as devidas explicações. Mas depois, não venham justificar aditivos aos contratos e atraso nos prazos por conta do "clima" ou usando qualquer outra desculpa esfarrapada. Não aguentamos mais essa "enrolação" oficial.

Em tempo: na reportagem, a RBS insiste em chamar a rodovia de "Diomicio DE Freitas". É possível que estejam falando da avenida localizada do Distrito Industrial de Anápolis, em Goiás. Vai ver, é pra lá que as máquinas e os operários foram. A daqui é Diomicio Freitas, somente. Custa pesquisar um pouquinho? Mas o que esperar de uma imprensa que insiste na denominação "Ilha de Florianópolis"?

sábado, 20 de abril de 2013

Quase um Chico Buarque


Nenhum comentário
Da série "pérolas do cancioneiro popular brasileiro":


quinta-feira, 18 de abril de 2013

Status: aguardando o TJD catarinense


Nenhum comentário
Há aproximadamente um mês (20/03), o Avaí recebeu o Criciúma no estádio da Ressacada, em Florianópolis, em partida válida pelo campeonato catarinense e que terminou empatada em dois gols. Quase ao final do jogo, a torcida da casa reclamou de um possível pênalti não marcado sobre o jogador Marquinhos. O próprio atleta, ao final da peleja, reclamou aos microfones que o Avaí tinha sido "roubado".

Ora, o árbitro de futebol é autoridade máxima em campo e não pode ser chamado de "ladrão" e ficar tudo por isso mesmo. E, embora a súmula do árbitro Célio Amorim não mencionasse o fato, Marquinhos foi denunciado no Tribunal de Justiça Desportiva por por "desrespeitar o árbitro da partida e reclamar desrespeitosamente contra as suas decisões, o que configura a infração disciplinar tipificada no art. 258 do CBJD". Foi absolvido no primeiro julgamento com uma simples advertência, mas o Procurador Geral da entidade, sr. Felipe Branco Bogdan, inconformado com a punição branda, recorreu da decisão, provocando novo julgamento ao atleta avaiano.

Nas palavras do douto Procurador:
"não era uma hipótese a suspensão da pena de suspensão do atleta, em troca de uma advertência. A Procuradoria não entende que seja uma infração de pequena gravidade. A gente sempre tem que contextualizar, são palavras fortes, envolve o árbitro, a Federação. Além do mais ele disse isso para a imprensa, o que ganha um valor maior".
Até aqui, nada a contestar. A lei existe para que seja cumprida e, se o atleta cometeu excesso, merece ser punido. O que causa estranheza - e aqui o fato motivador desse artigo - é que no dia 07 de abril, em partida disputada no mesmo estádio, entre Avaí e Figueirense, o atleta Maylson Barbosa Teixeira, do clube visitante, veio aos microfones afirmando que "esse timinho precisa ser ajudado pelo juiz". Se essa declaração não possui o mesmo teor daquela feita pelo Marquinhos, preciso rever meus conceitos.

Além disso, no mesmo jogo, o senhor Fábio Lopes Maraston, preparador físico do Figueirense, se dirigiu até o árbitro Ronan Marques da Rosa e, como consta na súmula da partida, falou as seguintes palavras:
"seu filho da puta, tu é (sic) um filho da puta".
Dessa forma, este blogueiro, que ainda consegue ser apaixonado por futebol, está aguardando que a  mesma Procuradoria denuncie o atleta Maylson, do Figueirense, bem como o preparador físico do clube, pelas infrações praticadas. Não tenho a menor dúvida que o Tribunal de Justiça Desportiva de Santa Catarina cuidará de aplicar punição severa e exemplar aos envolvidos, pelo bem do futebol.

É preciso aguardar alguns dias, entretanto, dando o tempo necessário para denúncia e julgamento. Marquinhos foi julgado em aproximadamente 20 dias após a partida contra o Criciúma, de modo que, no máximo até o final de abril os funcionários do Figueirense também devem sê-lo, o que vai tirá-los das partidas semifinais (ou finais) do campeonato. Lamentável para o clube, mas é preciso dar o exemplo. Vamos acompanhar os próximos passos dessa "novela" e voltaremos ao assunto.

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Futebol em frequência modulada


Nenhum comentário
Desde que o mundo é mundo (tudo bem, nem tanto assim), o futebol é levado aos torcedores de todas as partes através do bom e velho "radinho" de amplitude modulada, o famoso AM. Locuções antológicas marcaram época, num tempo em que as transmissões pela TV eram raras e o aficcionado pelo esporte bretão viajava com as descrições e fantasias criadas pelos mestres da narração esportiva.

Atualmente, são dezenas de partidas na telinha toda semana, o que fez com que a audiência do rádio diminuísse a níveis preocupantes. Ainda assim, são milhares de torcedores ligados nas partidas, boa parte deles dentro dos estádios. Só que a tecnologia trouxe um efeito colateral: as pessoas estão deixando de portar aparelhos de rádio e sintonizando o sinal em aparelhos celulares e outros dispositivos móveis. O "problema" com isso é que esses equipamentos não recebem sinais de AM, o que não chega a ser uma heresia, considerando a qualidade do sinal em frequência modulada (FM).

Não por acaso, diversas emissoras FM montaram equipes e passaram a transmitir futebol, angariando para si uma fatia do mercado - de ouvintes e anunciantes. A frustração, nesse ponto, fica pelo formato escolhido por essas empresas: ao invés de manter a tradicional "jornada esportiva", optaram por uma jovialidade forçada e adolescente, típica do FM. Como a linha que separa a graça do patético é extremamente tênue, elas não caíram no gosto do público. É o que acontece com a Band FM, em Florianópolis, cujas transmissões se dedicam mais em mandar abraços e saudações a ouvintes/internautas e fazer piadinhas de gosto duvidoso, do que propriamente em contar e comentar as partidas de futebol. Pouca informação, muita  brincadeira, um formato que definitivamente não agrada.

A Regional, também da capital catarinense, faz uma transmissão mais ortodoxa e próxima do AM, o que deve ser louvado. Respeitadas as limitações de tempo que impedem um pré e pós jogos decentes, deve-se louvar as jornadas esportivas da emissora. Mas está angariando ouvintes e ainda não possui o peso de um nome forte no rádio florianopolitano.

Quem poderia incomodar de verdade e a custo baixo é a Guarujá. Detentora de uma frequência FM em Florianópolis, ela poderia fazer uma "cadeia" entre suas emissoras AM e FM, alcançando um público que ainda não possui - o dos usuários de dispositivos móveis - e se aproveitando da equipe já formada e da tradição na cidade. Quem não gostaria de ouvir as transmissões da Guarujá com o sinal límpido e forte da Antena 1? Ademais, ninguém reclamaria da "intromissão", uma vez que a programação em rede da emissora paulista se resume a tocar músicas com raríssimos momentos de informação. Nada que não pudesse ser feito localmente, por pessoas dispostas e com maior retorno para a Guarujá, não tenho dúvidas disso.

Naturalmente, desconheço os detalhes do contrato entre Guarujá e Antena 1 para afirmar se essa estratégia pode ser implementada. De qualquer modo, fica a ideia, que dou de graça pelo apreço que tenho pela emissora: levem seu futebol para o FM, ganhem mais ouvintes, mais anunciantes... e incomodem de verdade a concorrência. No mínimo, seria divertido.

sexta-feira, 12 de abril de 2013

A nova Guarujá


2 comentários
No final do ano passado, em uma visita à Radio Guarujá (1420 Khz em Florianópolis), fiquei triste ao ver o estado em que estava a mais tradicional emissora da cidade. Praticamente abandonada, com alguns abnegados ainda mantendo o sinal no ar, não era nem de longe a potência que me acostumei a ouvir desde criança.

Tinha ido lá apresentar o piloto de um programa esportivo feito por torcedores, que por diversos motivos não foi levado ao ar. Durante a conversa com um desses herois que teimosamente insistiam em, literalmente, não desligar os aparelhos que mantinham a emissora viva, fiquei sabendo dos diversos problemas e do iminente fim daquela que um dia usou com propriedade o slogan "a Guarujá só dá bola pra você".

A única esperança, a luz no fim do túnel, segundo esse profissional, era a promessa de investimentos para 2013, feita por um dos donos da empresa. Saí de lá pouco confiante com qualquer mudança e minha incredulidade só aumentava quando o ano novo chegou e, com ele, a mesma Guarujá agonizando e contando as horas para o fim. Nada indicava que alguma coisa pudesse melhorar, até que...

Em março desse ano, surgiu a notícia da contratação de Chico Lins para trabalhar na emissora. Jornalista e ex-atleta de Futsal, Chico tem motivação e competência suficientes para dar nova cara à Guarujá. Antes dele, chegou o locutor Clodoaldo Pereira, o "caixa", além do anúncio de jornalistas conhecidos do público da Capital, como Dolmar Frizon e Paulo Brito.

Está sendo anunciada para maio (ainda veladamente, é verdade) a "nova programação" da Guarujá. Pelos nomes que surgiram, é notório que a emissora vai focar seus esforços no esporte, em especial no futebol - estratégia que, sob minha ótica, é a mais acertada. Nesse sentido, ela pode dar ainda um salto de qualidade se usar sua frequência de FM (92,1 MHz, ocupada pela Antena 1) para transmitir em cadeia com a rádio AM. Com isso, ganharia a audiência cada vez maior dos dispositivos móveis (que não recebem sinal AM) e teria um diferencial que suas maiores concorrentes não poderiam combater. Transmissão típica de AM com o sinal puro de FM, só a Guarujá teria (volto a falar mais desse assunto em post futuro).

Meu sentimento - e do público em geral - é de torcida pelo sucesso da empreitada. Florianópolis precisa da Guarujá forte e competitiva. É hora de mudar e as ferramentas estão à disposição. Tomara que a rádio não incorra no erro de apenas copiar o que já faz "a líder". Que tenha a necessária ousadia para experimentar, para ouvir o torcedor - eles estão cheios de ideias fantásticas, acredite - e de testar. Vida longa à Guaruja. O público agradece!

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Que feio, Fox Sports


Nenhum comentário
Definitivamente, a Fox Sports ainda não acertou a mão na Taça Libertadores da América 2013. Detentora de exclusividade para o Brasil (os jogos que você assiste pelo SporTV são fruto de um acordo com a Fox), a emissora parece mais interessada em "fazer festa" do que propriamente em transmitir as partidas do torneio.

Ontem, durante a transmissão de Real Garcilasso x Cerro Porteño, o canal passou boa parte do jogo (quase o segundo tempo inteiro) dividindo a tela para exibir a expectativa para a partida que transmitiria na sequência (Grêmio x Fluminense). E dá-lhe mostrar chegada de ônibus, aquecimento de jogadores, torcidas... o descaso com o jogo que estava acontecendo ao vivo foi tão grande que chegou a acontecer gol sem narração, pois estavam com o áudio em uma enfadonha entrevista com o médico do Grêmio.

É óbvio que o jogo mais importante da noite era o clássico brasileiro. Óbvio também que Garcilasso x Cerro não é um confronto que desperte tanto interesse... mas, se são os únicos a transmitir e se o jogo é AO VIVO, que façam direito. Quem sintonizou na emissora naquele horário é fã de futebol e quer ver o jogo e não esse pseudo-jornalismo sensacionalista.

É natural que passem informações e façam chamadas constantes para o principal jogo da noite. O que causa desconforto é dividir a tela para mostrar imagens sem o menor atrativo. Esse comportamento denota um descaso com a competição que chega a assustar, para uma emissora que ainda está engatinhando na busca por se consolidar no país.

E não foi a primeira vez que isso aconteceu, já é atitude corriqueira na Fox Sports. Que me lembre, na transmissão de Peñarol vs Velez Sarsfield (jogo BEM mais interessante, aliás), usaram do mesmo expediente para mostrar o ônibus do Atlético-MG chegando para jogar na Argentina e o aquecimento dos goleiros do Galo. Mudei de canal pra não voltar mais naquele dia, assim como fiz ontem. Preferi assistir ao sulamericano sub-17 em outro canal, na íntegra. Lamentável.

domingo, 29 de abril de 2012

Uma ótima iniciativa


Nenhum comentário
Tive o prazer de ouvir, agora há pouco, o programa "Campo Crítico" transmitido pela Rádio Guarujá-SBT de Florianópolis. Seria apenas mais um debate esportivo como dezenas de outros que existem no Brasil, não fosse a sacada genial de convidar torcedores dos dois times da cidade para fazer o programa.

Mediados pelo competente Edson Cúrcio, os blogueiros avaianos Gérson (@avaixonados) e Rafael Eleutério (@MinhaVidAvai) e alvinegros Filipe (@lfilipe) e Fábio (@figueiraFABIO) deram um show de conhecimento e competência.

Respeitando-se mutuamente, os participantes não se furtaram a dar suas opiniões - contundentes ou não - sobre todos os assuntos que foram abordados. Ao contrário de alguns comentaristas "profissionais", que se obrigam a ficar em cima do muro, os blogueiros falaram o que pensavam, sem papas na língua. Como resultado, um programa bastante interessante e divertido, que certamente agradou a ambas as torcidas.

Fica a ideia, para que pelo menos uma das inúmeras emissoras da cidade aproveite o filão: criem um programa fixo, com torcedores esclarecidos dos dois times. Pode ser até um programa exclusivo para cada um dos clubes, com alguns participantes fixos e outros "coringa". Vai ser sucesso na certa, é isso que o torcedor quer ouvir, a voz dos seus iguais. E não os "profissionais de frases feitas". Fica a dica.

sexta-feira, 9 de março de 2012

Ei, GloboEsporte, cadê o Avaí?


Nenhum comentário